BACH EN BRASIL - CAMERATA BRASIL

Henrique Cazes (2000)

2000
Crítica

Cotação:

Na capa, o velho Johann Sebastian Bach (1685-1750) no ano da comemoração dos 250 de sua morte emerge com as melenas numa paisagem tropical, entre onças, pássaros e borboletas. No crossover do repertório peças como Allegro – Concerto Italiano em Fá Maior, Invenção de Duas Partes no. 13, Concerto Duplo em Ré Menor para Dois Violinos e Orquestra convivem com nossos conterrâneos Abel Ferreira (Chorando Baixinho), Pixinguinha & Benedito Lacerda (Vou Vivendo, Um a Zero), Radamés Gnattali (Remexendo, Variações sôbre o Samba do Urubu) e obviamente o Villa Lobos que celebrou o patriarca alemão nas Bachianas Brasileiras (escalada a célebre Ária no.5). Projeto idealizado pelo brazilianista Gerald Seligman, um americano que dirige o setor de clássicos da EMI inglesa, este encontro entre o rendilhado do choro e os contrapontos de Bach é conduzido por um octeto de coesão digna do tempo em que as pedras pisadas do cais eram engastadas com óleo de baleia. O cavaquinista Henrique Cazes, um mestre precoce do choro que integrou a Camerata Carioca orientada pelo sábio Radamés Gnattali, comanda esta Camerata Brasil ao lado de Marcílio Lopes e Paulo Sá (bandolins), Marcus Ferrer (viola caipira, o surpreendente instrumento de harmonia do Allegro que abre o CD), José Paulo Becker (violão), Marcello Gonçalves (7 cordas), Omar Cavalheiro (baixo) e Beto Cazes (pandeiro e percussão). O disco atravessa várias vezes a alfândega de preconceitos que separa o popular do erudito e de contrabando golpeia a tese de que o choro é o jazz brasileiro. A Camerata prova que o gênero cultuado no quintais, bares e salões cariocas está muito mais próximo dos clássicos europeus (modelos de fundadores do gênero como Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga) com o leve tempero do ritmo de ascendência afro, que pontua discretamente da Invenção de Duas Partes à fusão de Ele e Eu (Pixinguinha/ Benedito Lacerda) e Badinerie (Bach). Outros destaques vão para as cordas enérgicas que ondulam o Concerto Duplo em Ré Menor para Dois Violinos e Orquestra e o sempre matreiro 1XO que bate um bolão com o Beckenbauer do contraponto. (Tárik de Souza)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 Allegro - Concerto Italiano em fá maior BWV 971 Ouvir
(J.S. Bach)
2 Remexendo Ouvir
(Radamés Gnattali)
3 Invenção a duas vozes nº 13 Ouvir
(J.S. Bach)
4 Vivace - Concerto duplo em ré menor BWV 1041 Ouvir
(J.S. Bach)
para dois violinos e orquestra

5 Chorando baixinho Ouvir
(Abel Ferreira)
6 Prelúdio - Suíte em dó menor BWV 997 Ouvir
(J.S. Bach)
7 Vou vivendo Ouvir
(Pixinguinha)
8 Variações sobre o samba do urubu Ouvir
(Radamés Gnattali)
9 Aria - Bachianas brasileiras nº 5 Ouvir
(Heitor Villa-Lobos)
10 Allegro - Concerto de Brandemburgo nº 6 BWV 1051 Ouvir
(J.S. Bach)
11 Um a zero Ouvir
(Pixinguinha)
12 Ele e eu/Badinerie -Suite nº2 para flauta e cordas Ouvir
(Pixinguinha/J.S. Bach)
BWV 1067

13 Giga - Partita nº 4 em ré maior para cravo Ouvir
(J.S. Bach)
14 Invenção a duas vozes nº 8 Ouvir
(J.S. Bach)
 
BACH  EN BRASIL - CAMERATA BRASIL
 
 
MetaMusica