MEU CORAÇÃO É UM PANDEIRO

Cauby Peixoto (2000)

2000
Som Livre
Crítica

Cotação:

Às vésperas de completar 50 anos de carreira em disco, com mais de 500 músicas gravadas no currículo, Cauby Peixoto pela primeira vez grava um álbum apenas de sambas. E, diga-se de passagem, saiu-se muito bem. Meu Coração É um Pandeiro, que reúne 15 sambas clássicos na voz do cantor, com direito a alguns convidados do ramo e, de quebra, um belíssimo projeto gráfico. Apesar de possuir uma cancha mais jazzística, Cauby saiu-se bem no desafio de lançar-se aos sambas de raiz – ainda que os arranjos de seu produtor João de Aquino quase sempre dêem um jeito de aproveitar esse outro lado do cantor, mesmo que discretamente. O resultado é surpreendente. Esqueçam o Cauby dramático de Conceição e Nono Mandamento! O CD é bem alto astral. Apesar de mostrar seu estilo inconfundível, o cantor dispensa maiores impostações vocais ou exageros inadequados ao gênero do disco. A melhor faixa é logo a de abertura, Eu Canto Samba (Paulinho da Viola) na qual Cauby deita e rola. Improvisa, brinca com a letra que diz "Há muito tempo que ouço dizer esse papo furado que o samba acabou". "Acabou é?" – indaga Cauby. E o coro responde: "Só se foi quando o dia clareou". Impagável. Paulinho participa, mas não nessa faixa, e sim na belíssima Onde a Dor Não Tem Razão, também de sua autoria, outro grande momento do CD. O renovador do partido alto, Martinho da Vila, desafia Cauby em Iaiá do Cais Dourado, em que o anfitrião se sai otimamente bem, tão à vontade quanto na faixa de abertura. Acreditar, que tem canja de Dona Ivone Lara, ganhou um arranjo diferente, com um pé na gafieira. Zeca Pagodinho também aparece no terreiro de Cauby com uma versão mais acelerada de Festa da Vinda, de Cartola e Nuno Veloso, com arranjo que beira a salsa em determinados momentos. O disco traz outros convidados ilustres do mundo do samba em versões corretas (Chico Buarque em Quem Te Viu, Quem Te Vê, Nelson Sargento em Agoniza Mas Não Morre e Monarco & Velha Guarda da Portela no samba-enredo Ilu Ayê). Sozinho, Cauby também se defende bem em sambas de épocas e estilos distintos. Das celebrativas Exaltação a Tiradentes e Exaltação à Mangueira (esta com direito ao coral da Velha Guarda da Escola) à única verdadeiramente nostálgica do disco, Rio Antigo (do repertório de Alcione), passando pelo samba-jóia de Benito Di Paula, Retalhos de Cetim (em andamento mais suingado) e pela antiga Morena Boca de Ouro, de Ary Barroso. Essa última, de cuja letra foi retirado o título do CD, aparece em versão bem animada, meio sambão, meio jazzista, nos intervalos da melodia principal. Se o samba-enredo Festa do Círio de Nazaré (Mangueira,1975) fecha o disco em versão discreta – o CD merecia uma faixa de mais impacto para o final – Cauby surpreende no dueto com Luiz Carlos da Vila na inacreditável (e difícil) Kizomba – A Festa da Raça. Esse samba-enredo, que deu o primeiro campeonato à Vila Isabel em 1988, aparece numa curiosa versão mais ralentada. Em suma, Cauby não vai virar sambista depois desse disco, mas é bonito ver um cantor veteraníssimo ainda buscando novos desafios, lançando um álbum digno e bem cuidado. Coisa rara.(Rodrigo Faour)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 Eu canto samba Ouvir
(Paulinho da Viola)
2 Quem te viu, quem te vê Ouvir
(Chico Buarque)
3 Agoniza mas não morre Ouvir
(Nélson Sargento)
4 Onde a dor não tem razão Ouvir
(Élton Medeiros, Paulinho da Viola)
5 Yá Yá do cais dourado Ouvir
(Rodolfo, Martinho da Vila)
6 Exaltação à Mangueira Ouvir
(Enéas Brittes, Aloísio Augusto da Costa)
7 Acreditar Ouvir
(Ivone Lara, Délcio Carvalho)
8 Retalhos de cetim Ouvir
(Benito di Paula)
9 Rio antigo (Como nos velhos tempos) Ouvir
(Nonato Buzar, Chico Anísio)
10 Festa da vinda Ouvir
(Nuno Veloso, Cartola)
11 Ilu ayê (Terra da vida) Ouvir
(Norival Reis, Cabana)
12 Morena boca de ouro Ouvir
(Ary Barroso)
13 Exaltação à Tiradentes Ouvir
(Penteado, Mano Décio da Viola)
14 Kizomba (A festa da raça) Ouvir
(Jonas, Rodolfo, Luiz Carlos da Vila)
15 Festa do Círio de Nazareth Ouvir
(Nilo Mendes, Aderbal Moreira, Dario Marciano)
 
MEU CORAÇÃO É UM PANDEIRO
 
 
MetaMusica