EBONY VOX

Ebony Vox (2000)

2000
Crítica

Cotação:

Foram-se os tempos gloriosos de Tim Maia e Cassiano, mas o soul brasileiro resiste aos trancos e barrancos, com um punhado de artistas que, se não chegam a constituir um movimento, guardam muitas semelhanças estéticas. Da Ed Motta e Max de Castro (que primam pela sofisticação) a Pepê & Neném e Fat Family (que buscam as paradas de sucesso), o denominador comum é a voz, treinada nos caminhos melódicos sinuosos do rhythm’n blues, mas sempre aberta a alguma infiltração de jazz ou samba. Em seu segundo disco, o Ebony Vox é um grupo – vocal – que chega com bala para exigir sua inscrição no primeiro time do clube do Soul Brasil. Formado por Alexandre Lucas, Alexandre Dantas e Júlio Borges, que passaram por bandas como o Fanzine e o Conexão Japeri pós-Ed Motta, o Ebony gravou um disco em 1998 para a BMG que passou em brancas nuvens. Acrescido agora de Abdullah (que fazia vocais nos shows de Gabriel o Pensador), o grupo carioca aposta no reconhecimento em disco produzido por Leandro Lehart, líder do grupo de pagode Art Popular. As armas de maior calibre do Ebony são as baladas, que o quarteto traça com segurança e emoção. Caso de Todo Esse Amor (com participação de Pepê & Neném), Jura e É o Fim, composta Lucas, Dantas e Borges, e gravada originalmente (com participação do próprio Ebony) no Acústico MTV Art Popular – na nova versão, Lehart reforça os vocais. Há faixas mais funks e eletrônicas, que não ficaram tão boas: Com Dinheiro É Mole (Quero Ver É Duro) (parece coisa do Casseta & Planeta!), Vai à Luta e Provoca (uma espécie de reprocessamento do Heloísa Mexe a Cadeira, de Vinny). No departamento balanço, o Ebony se sai melhor em Eu Te Vejo em Tudo (que tem uma grande força de Ed Motta) e Horizonte, um misto de The Fevers e Steely. Um avanço em relação ao seu primeiro disco é a ausência de covers de músicas famosas – mesmo You Make Me Feel Brand New, dos Stylistics ganha uma bela versão, em vozes-e-violão, estilo Take 6. Mas, como boa parte do soul brasileiro dos anos 80 para a frente, Ebony Vox padece com uma produção afeita à pasteurização e com alguns tiros na água numa vã tentativa comercial. Você Vai Lembrar, de Michael Sullivan e Carlos Colla, com arranjos de Lincoln Olivetti, podia figurar num disco do Só Pra Contrariar, com suas tiradas como "me acende com teu fogo". A baba escorre em Teu Amor Não É Pra Mim e há um excesso de bobagem no ragga Show de Bola. Não fosse por elas, teríamos aí um notável CD de soul brasileiro.(Silvio Essinger)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 Hoje sou feliz Ouvir
(Dawison, Alexandre Lucas, Abdullah)
2 Todo esse amor Ouvir
(Leandro Lehart)
3 Com dinheiro é mole (Quero ver duro) Ouvir
(Abdullah, Cacá Moraes)
8 Teu amor não é pra mim Ouvir
(Alexandre Dantas, Júlio Borges, Alexandre Lucas)
9 You make me feel brand new Ouvir
(Thom Bell, Linda Creed)
10 Você vai lembrar Ouvir
(Michael Sullivan, Carlos Colla)
11 Show de bola Ouvir
(Abdullah, Cacá Moraes)
12 Provoca Ouvir
(Abdullah, Cacá Moraes)
 
EBONY VOX
 
 
MetaMusica