ÚNICA PESSOA

Ednardo (2000)

2000
GPA Music
Crítica

Cotação:

É um disco de intérprete, sim, mas de um artista que estava há muito tempo e injustamente sendo deixado de lado do cenário. Não só como compositor, mas também como músico, Ednardo exerceu sobre a música brasileira uma significativa influência, cujo arco de abrangência pega do maranhense Zeca Baleiro ao punk-brega Wander Wildner. Em Única Pessoa, seu primeiro disco em uma década, pode se resgatar um pouco de sua aventura nos anos 70, que era a tentativa de desenvolver uma espécie de folk à brasileira, com letras bem pessoais e poéticas. Ela revive de certa forma na lírica Pedra da Lua (que tem um tempero de cítara), em Universo em Mim, na bluesy Sinal dos Tempos (que tem a participação de um inconfundível Belchior) e na faixa-título. Com uma produção que infelizmente não arrisca muito além dos padrões sonoros da MPB para FM light, Ednardo apresenta boa variedade de idéias no disco - há um quê de tango em Poema Imortal (de Lauro Maia e Humberto Teixeira), divagações poéticas em moldura blues-jazzística na faixa Dita (de Antônio Cícero e Orlando Moraes) e ritmos do Norte brasileiro em Da Minha Terra e Ave de Arribação. O maior risco que ele assume é ao reler o monumento de Chico Buarque, Futuros Amantes - a gravação convence, com sotaque mais pop e elegantes toques de sanfona e trumpete. O único senão do CD é que Ednardo talvez não seja o melhor intérprete para Noches de Ronda - tudo bem, é só uma faixa. Agradável, Única Pessoa não é assim um disco que vá mudar muita coisa na MPB, mas também não vai fazer feio entre o público de Ednardo - um gosto dos bons tempos restou. (Silvio Essinger)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 Folia ou pressa Ouvir
2 Pedra da lua Ouvir
3 Sinal dos tempos Ouvir
4 Da minha terra Ouvir
5 Noche de ronda Ouvir
6 Poema imortal Ouvir
7 Ave de arribação Ouvir
8 Universo em mim Ouvir
9 Dita Ouvir
10 Fruta boa Ouvir
11 Futuros amantes Ouvir
12 Única pessoa Ouvir
 
ÚNICA PESSOA
 
 
MetaMusica