LILIAN KNAPP

Lilian (solo) (2001)

2001
Independente
Crítica

Cotação:

Culpem - ou felicitem - Adriana Calcanhotto. Se a cantora gaúcha não tivesse conseguido fazer de Devolva-me, original da dupla Leno & Lilian de 1966, um mega-hit, este Lilian Knapp não existiria (apesar da própria autora dizer que uma coisa não tem nada a ver com a outra). Então, o que a "Lilian do Leno" tem a oferecer para o terceiro milênio?

Trata-se, obviamente, de um disco ingênuo. Isso se nota desde a capa. Ou alguém imagina que a volta da Lilian do Leno era o que faltava para salvar o pop nacional da mediocridade? Ela não inventa nada, não embarca em onda alguma; tudo o que ela tem na manga é a fé em que ainda há gente disposta a ouvir suas musiquinhas de amor. Mas bem-aventurados sejam os ingênuos, porque em seus trabalhos é onde reside o que resta de autenticidade na MPB. Por mais que pareça brega, Lilian não o é; na verdade, ao manter-se fiel a seu sonzinho jovemguardista, ela vai além e incorpora o proto-brega. Pois não foram as canções melosas de Roberto & Erasmo & cia. a base para os Odairs e Waldicks da vida? Assim, temos Lilian Knapp: um álbum que não vai acrescentar coisa alguma à suposta "evolução" do pop nacional. Mas aí é que está sua genialidade - alguém que esteja disposto a comprar um disco da Lilian do Leno à essa altura do campeonato não está nem aí para evolução. Só quer ser feliz e ouvir cançõezinhas simpáticas.

E elas até existem no disco. Pena que Lilian espante os ouvintes menos pacientes ao colocar a ruinzinha Amores Vêm e Vão na abertura (breguinha, e evidenciando a fragilidade da voz da cantora). Há mais personalidade em Deus É Quem Sabe (de Raul Seixas), de melodia beatlesca que chega cercada por órgão e solinhos meio heavy de guitarra (da lenda viva Luiz Carlini, que também assina os arranjos). Mas os melhores momentos ficam com as overdoses de sacarina pop, caso de Forte Amor ou Difícil Esquecer - semi-pérolas que se encaixariam perfeitamente no repertório de Kátia (sim, a cantora cega). Tem mais anos 60 na regravação de Esqueça e Perdoa, do hitmaker Getúlio Cortes. Tudo isso e pouco mais embalado por arranjos dignos de uma competente banda cover do Beatles - que ainda parecem ser o grande referencial pop para a cantora.

Se tem Devolva-me? Claro, em uma versão abolerada (impressão reforçada pela percussão latina) e com introdução citando I'll Be Back (seria um recado cifrado para os fãs?), mais uma vez dos Beatles, na guitarra. Ficou legal, meio à la Rita Lee dos anos 80. (Marco Antonio Barbosa)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 Amores vem e vão Ouvir
(Ruban Barra, Lilian Knapp, Dalton)
2 Deus é quem sabe Ouvir
(Raul Seixas)
3 Devolva-me Ouvir
(Lilian Knapp, Renato Barros)
6 Difícil esquecer Ouvir
(Cláudio Mazza, Lilian Knapp)
7 Logo agora Ouvir
(Lilian Knapp, Carlos Colla)
10 Amor próprio Ouvir
(Lilian Knapp)
11 Esqueça e perdoa Ouvir
(Getúlio Cortes)
 
LILIAN KNAPP
 
 
MetaMusica