É SIM, SINHÔ - VOL. II - LIRA CARIOCA - Com CLARA SANDRONI e MARCOS SACRAMENTO

Lira Carioca / Sinhô / Clara Sandroni / Marcos Sacramento (2000)

2000
Independente
Crítica

Cotação:

José Barbosa da Silva, o Sinhô (1888-1930), o primeiro rei do samba, teve o cetro várias vezes contestado. O compositor Heitor dos Prazeres (1898-1966), que o acusava de plágio, alfinetava-lhe o talento chamando-o de "rei dos meus sambas". Estes, por sua vez, na maioria, soam ou foram gravados como maxixes. Afinal que rei é esse, sem reinado nem coroa? Neste segundo volume dedicado pelo grupo Lira Carioca ao professor de violão do cantor Mário Reis surgem outros contornos de sua obra. A faixa instrumental Pianola, informa o historiador Jairo Severiano no encarte, é um ragtime sintonizado com as modas importadas, já na época, do Grande Irmão do Norte. A polca choro Kananga do Japão, de 1918, homenagem à famosa gafieira, registrada numa partitura em dó maior escrita por Pixinguinha (Sinhô preferia os bemóis e sustenidos) faz companhia a outra raridade, a parceria de Sinhô com o debutante Wilson Batista aos 17 anos, o samba de breque Mil e Uma Trapalhadas, inédito em disco. Encontrado na coleção de partituras dada pelo compositor aos reis da Bélgica, o samba amaxixado Vou Me Benzer, de 1919 é outra descoberta do cardápio, levado na voz de Clara Sandroni. Ela reveza-se nos solos com Marcos Sacramento que lembra o fraseado coloquial de Mário Reis num grande sucesso deste, Cansei, regravado no CD. A instrumentação econômica evita sobrepor-se aos originais, modulando com algum humor (especialmente nos comentários de sopros) temas mais espevitados como Canjiquinha Quente, Sou da Fandanga ou o provocador Quem São Eles: "A Bahia é boa terra/ ela lá e eu aqui, Iaiá". Viva à Penha foi uma espécie de resposta batucada ao sucesso de Na Pavuna, de Almirante. E a ode marginal Sete Coroas (1922), só foi preservada graças a uma gravação da longeva pianista Carolina Cardoso de Menezes, em 1986. Saboroso e documental, este volume 2 reaviva a memória do pioneiro (não apenas) do ramo e atesta que o samba não se fez da noite para o dia. (Tárik de Souza)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 A medida do Senhor do Bonfim Ouvir
(Sinhô)
2 Confessa meu bem Ouvir
(Sinhô)
3 Mil e uma trapalhadas Ouvir
(Wilson Batista, Sinhô)
4 Sou da fandanga Ouvir
(Sinhô)
5 Viva a Penha Ouvir
(Sinhô)
6 Vou me benzer Ouvir
(Sinhô)
7 Por que será? Ouvir
(Sinhô)
8 Kananga do Japão Ouvir
(Sinhô)
9 Cansei Ouvir
(Sinhô)
10 Quem são eles Ouvir
(Sinhô)
11 Canjiquinha quente Ouvir
(Sinhô)
12 Alivia estes olhos Ouvir
(Sinhô)
13 Pianola Ouvir
(Sinhô)
14 Segura o boi Ouvir
(Sinhô)
15 Sete coroas Ouvir
(Sinhô)
 
É SIM, SINHÔ - VOL. II - LIRA CARIOCA - Com CLARA SANDRONI e MARCOS SACRAMENTO
 
 
MetaMusica