SARAVÁ, BADEN POWELL!

Marcos Sacramento / Marcos Suzano / Clara Sandroni / Baden Powell / Maurício Carrilho (2002)

2002
Biscoito Fino
Crítica

Cotação:

O samba sofisticado e ao mesmo tempo pé no chão de Baden Powell encontra uma tradução bastante adequada neste álbum dos cantores Clara e Marcos - que passou por percalços pouco usuais até ser concretizado. Afinal, o disco começou a ser gravado há exatos quatro anos e só veio a ser finalizado e mixado em 2002. As nuances por vezes contrastantes na música de Baden ganham novas cores sob o tratamento delicado e econômico empregado pela dupla. A riqueza rítmica (sublinhada pela percussão de Suzano, Zero e Carlos Negreiros, que resgataram as referências afro-brasileiras originais) dos arranjos casa bem com a sutileza das melodias; a melancolia romântica, quase onipresente, convive com as freqüentes alusões ao universo da umbanda. E tudo funciona muito bem, lançando nova luz sobre a musicalidade marcante de Baden. A intimidade da dupla com a obra do violonista, trabalhada ao longo de anos de shows dedicados exclusivamente a seu repertório, confere o tom de propriedade necessário.

As entortantes melodias tramadas pela dupla Baden/Vinícius ganham um verdadeiro songbook aqui, ornadas com nada mais que voz, violão e batuque. Uma generosa passada pelos afrosambas do duo compõe o coração do disco, incluindo uma climática recriação de Canto de Ossanha (com longa introdução instrumental), o inevitável arrepio de Berimbau e a dolência amargurada de Canto de Iemanjá. Fora dos domínios dos afrosambas, brilha o medley Formosa/Deixa, no qual Marcos Sacramento, num raro momento como solista, empresta leveza ao tom dolorido da letra. As únicas exceções à parceria com o Poetinha são Lapinha e É de Lei, ambas com Paulo Cesar Pinheiro, e se encaixam perfeitamente no clima de reverência e sobriedade deste tributo.(Marco Antonio Barbosa)
Faixas
Ouvir todas em sequência
 
SARAVÁ, BADEN POWELL!
 
 
MetaMusica