MONARCO

Monarco (1976)

1976
Continental
Crítica

Cotação:

Finalmente relançado em CD (primeiro no Japão, depois no Brasil), o primeiro disco individual de Hildemar Diniz, o Monarco, vem confirmar o talento desse compositor e intérprete, que mantém hoje em dia o mesmo timbre jovial da voz. A comparação com o recente Tudo Azul, da Velha Guarda da Portela, da qual é membro, mostra como, passados 24 anos do lançamento de Monarco, ele continua sendo uma das principais vozes do samba (título de seu CD da Kuarup, de 1992). Se em Tudo Azul a primeira faixa abre com Monarco cantando "Eu sou Portela desde o dia em que nasci", neste disco os sambas falam mais de amor pela mulher do que pela escola (vide Amor Verdadeiro, Amor Fiel, Ingratidão, Tudo Menos Amor). Curioso é observar que, tratando do mesmo tema, os sambas de Monarco trafegam a uma distância enorme dos atuais "sambas românticos", que se apegam muito ao "romântico" e pouco ao "samba".

Por acaso, o único que homenageia uma agremiação é o belíssimo samba Mangueira e Suas Glórias, um libelo de respeito e admiração pela adversária formal mas companheira de coração e seus compositores. Monarco, que é uma espécie de guardião da história portelense, membro da ala dos compositores desde os 15 anos, não deixa de prestar suas homenagens aos grandes sambistas, como Paulo da Portela, que divide a parceria na primeira faixa, a antológica O Quitandeiro. Outra presente nesse disco e que teve longa carreira foi Lenço, parceria com Francisco Santana ("Pega esse lenço e não chora/ Enxuga o pranto, diga adeus e vá embora"), gravada na década de 50 em um disco da Portela e mais tarde por Beth Carvalho, Paulinho da Viola e pela Velha Guarda em Tudo Azul, com a participação de Zeca Pagodinho. Enganadora também foi feita ao lado de um dos mais tradicionais nomes da Portela, Alcides Dias Lopes, o "malandro histórico da Portela", a quem Monarco foi bastante ligado. Outra homenagem ainda é prestada a Aniceto, "o mais antigo compositor da Portela", como vem explicitado na contracapa (ressalte-se que os textos do LP foram preservados no CD, bem como a capa assinada pelo cartunista Lan), com Desengano, também presente em Portela Passado de Glória, o primeiro álbum da Velha Guarda – CD que, diga-se de passagem, está de volta às lojas. Nesta e nas demais faixas Monarco soma sua voz segura, firme e afinada ao instrumental que conta com Dino 7 Cordas, Zé Menezes nas cordas, Wilson das Neves na bateria, Abel Ferreira nos sopros, Marçal na percussão, entre outros.(Nana Vaz de Castro)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 O quitandeiro Ouvir
(Monarco, Paulo da Portela)
2 Ingratidão Ouvir
(José Mauro, Monarco)
3 Desengano Ouvir
(Aniceto)
4 Amor verdadeiro Ouvir
(Monarco)
5 Tudo menos amor Ouvir
(Walter Rosa, Monarco)
6 Mangueira e suas glórias Ouvir
(Monarco)
7 Duelo fatal Ouvir
(Monarco)
8 Amor fiel Ouvir
(Monarco)
9 Glórias do samba Ouvir
(Monarco)
10 Conselho Ouvir
(Manacéa, Monarco)
11 Lenço Ouvir
(Francisco Santana, Monarco)
12 Enganadora Ouvir
(Alcides Dias Lopes, Monarco)
 
MONARCO
 
 
MetaMusica