DECLARAÇÃO DE GUERRA

MV Bill (2002)

2002
BMG
Crítica

Cotação:

A modernidade do rap feito por MV Bill é dos mais impressionantes e vivos do estilo no Brasil em muito tempo. Diferentemente dos Racionais Mc's, adeptos ao mesmo tempo de outra linha de versos e de composição (sampleando de funk e soul americanos), Bill faz um rap invocado, curto e grosso nas rimas, pessoal e intransferível, "made in" Cidade de Deus. Se alguém melhor representa a CDD e as condições de vida do lugar, esse alguém não é publicitário, nem diretor de videoclipe: esse representante é rapper, negro e se chama MV Bill. Ainda sendo processado por fazer apologia ao crime ao retratar fielmente o ambiente no qual vivem menores de idade, cercados de drogas e armas, no clipe de Soldado do Morro (do disco anterior Traficando Informação), Bill fez um dos grandes discos de rap neste ano, candidato sincero a um dos melhores do gênero desde que surgiu no País.

Filosoficamente, Bill procura se distanciar de um método de discurso cuja agressividade atingia níveis perigosos: prefere o discurso inteligente, o texto ágil, mais de observação e reflexão do que de agressão gratuita. O faz por ser ele o artista mais indicado para a tarefa. A voz de um jovem proclama "a chapa é quente, o ritmo é frenético, o calor é sinistro e o bagulho é nós". Soldado Morto, canção de abertura do disco, dá a resposta a altura para Soldado do Morro. Em Só Deus Pode Me Julgar, Bill mostra um apuro incrível, inserindo elementos de orquestra, tornando seu rap grandiloqüente, de proporções muito maiores do que imaginavam alguns; Cidadão Comum Refém se não fosse pelo bom refrão ser cantado pela irritante voz de Chorão (vocalista do Charlie Brown Jr., que faz jus ao apelido), seria uma obra prima do rap brasileiro. A velocidade do estilo de Bill limpa a barra do roqueiro-rapper. Ainda bem. Independente de qualquer tipo de análise social-política, MV Bill faz música de ótima qualidade. Rap moderno, antenado com o que de melhor a música brasileira produziu (Bebeto, Hyldon, Djavan, Tim Maia), sem soar "americano", de identidade forte. E se você, leitor, pensa que a Cidade de Deus é só um filme, é hora de pensar mais uma vez. De preferência, ao som de MV Bill. (Filipe Quintans)
Faixas
1 Soldado morto
(MV Bill)
2 Emiví
(MV Bill)
3 Só Deus pode me julgar
(MV Bill)
4 Cidadão comum refém
(MV Bill)
5 Camisa de força
(MV Bill)
6 Só se for "d"
(MV Bill)
7 Dizem que sou louco
(MV Bill)
8 Mina de fé
(MV Bill)
9 L. gelada - 3 da madrugada
(MV Bill)
10 Inconstitucionalissimamente
(MV Bill)
11 Marginal menestrel
(MV Bill)
12 Testemunho
(MV Bill)
13 Fé em Deus
(MV Bill)
14 Declaração de guerra
(MV Bill)
 
DECLARAÇÃO DE GUERRA
 
 
MetaMusica