OLHA QUE COISA MAIS LINDA - HOMENAGEM A TOM JOBIM

Tom Jobim (2001)

2001
Som Livre
Crítica

Cotação:

Sai agora em CD o tributo a Tom Jobim gravado em novembro no ATL Hall (RJ), por 15 artistas brasileiros. O resultado de ecléticas escolhas no elenco acaba sendo irregular, pois alguns dos intérpretes pouco afeitos ao repertório jobiniano (mas que nem por isso pensariam em recusar a chance de participar da homenagem) viram-se presos no dilema entre imprimir uma marca pessoal à interpretação e reverenciar a criação do maior compositor brasileiro. Sinuca de bico, da qual poucos saíram ilesos. Ponto para os mais tarimbados, como Ivan Lins, que fez bonito em O Amor em Paz (mas poderia ter se limitado ao piano, não precisava do arranjo de cordas onipresentes), João Bosco, que tocou Águas de Março de forma criativa, só voz e violão, sem descaracterizar a obra, que se baseia na (aparente) repetição, e o Quarteto em Cy, que acrescentou um raro e pouco gravado prelúdio para Desafinado ("Quando eu vou cantar/ Você não deixa/ E sempre vem/ A mesma queixa/ Diz que eu desafino/ Que eu não sei cantar/ Você é tão bonita/ Mas sua beleza/ Também pode se enganar").

Leila Pinheiro, expert em bossa nova, deu o peso certo a Sem Você, música cheia de nuanças, nem sempre percebidas. Já Ed Motta, um dos que conseguem, sem dúvida, deixar sua marca pessoal e intransferível a tudo que canta, fez um bonita versão, com sua alma soul, de Por Toda Minha Vida — acompanhado ao piano apenas por Daniel Jobim, neto do homem. Peca apenas pelo excesso de falsete para atingir as notas mais agudas, em uma faixa de menos de 2 minutos. Certo, a música tem uma extensão enorme, mas quem mandou escolher? Já Luiza, interpretada aqui por Carlinhos Brown, é a faixa mais longa do disco. Com 5’10", inclui uma introdução — mesclando efeitos sonoros feitos com o violoncelo de Jaques Morelenbaum e uma batida imitando a pulsação de um coração — um interlúdio, um solo de violoncelo (e tome tum-dum-tum-dum ao fundo), um apelo de Brown à platéia ("põe a mão no coração, todo mundo")... Em meio a isso tudo, perde-se a riqueza da jóia que é a música.

Os mega standards Corcovado (Daniela Mercury), Wave (Lenine), Garota de Ipanema (Simone) e Eu Sei Que Vou Te Amar (Paulinho Moska) ficam no limite da correção. O que é compreensível. Que se pode fazer, reinventar a roda? Martinho da Vila ficou um pouco estranho, cantando de maneira afetada, uma leitura de A Felicidade que acabou virando Ah! Felicidade. Zé Renato se deu bem em Triste, ganhou um dos arranjos mais suingados e não desperdiçou a sorte. A Orquestra Som Livre (com coro) remeteu aos grandes bailes em Lígia, no melhor estilo Anos Dourados. Chamariz extra para o disco é a faixa-bônus, Estrada Branca, cantada por Chico Buarque (que não participou do show), um brinde para relevar os equívocos cometidos por Paula Toller (Por Causa de Você) e Paulo Ricardo (bem apropriadamente, Insensatez). Salva-se, como sempre, a música de Tom.(Nana Vaz de Castro)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 Corcovado Ouvir
(Tom Jobim)
2 A felicidade Ouvir
(Tom Jobim, Vinicius de Moraes)
3 Garota de Ipanema Ouvir
(Tom Jobim, Vinicius de Moraes)
4 O amor em paz Ouvir
(Tom Jobim, Vinicius de Moraes)
5 Insensatez Ouvir
(Tom Jobim, Vinicius de Moraes)
6 Águas de março Ouvir
(Tom Jobim)
7 Sem você Ouvir
(Tom Jobim, Vinicius de Moraes)
8 Pot-pourri: Ouvir
Soneto de fidelidade (Vinicius de Moraes)
Eu sei que vou te amar (Tom Jobim - Vinicius de Moraes)

9 Desafinado Ouvir
(Newton Mendonça, Tom Jobim)
10 Wave Ouvir
(Tom Jobim)
11 Por toda minha vida Ouvir
(Tom Jobim, Vinicius de Moraes)
12 Luiza Ouvir
(Tom Jobim)
13 Por causa de você Ouvir
(Dolores Duran, Tom Jobim)
14 Triste Ouvir
(Tom Jobim)
15 Lígia Ouvir
(Tom Jobim)
16 Estrada Branca Ouvir
(Tom Jobim, Vinicius de Moraes)
 
OLHA QUE COISA MAIS LINDA - HOMENAGEM A TOM JOBIM
 
 
MetaMusica