EU FALSO DA MINHA VIDA O QUE EU QUISER

Paulinho Moska (2001)

2001
Crítica

Cotação:

(Paulinho) Moska cismou que veio para confundir. Daí o críptico título de seu novo álbum, a abreviatura de seu nome, e principalmente a nova proposta estética e sonora que guia sua carreira. A bordo do Quarteto Móbile-Moska, o ex-Inimigos do Rei preferiu o caminho mais tortuoso na hora de dar um novo gás a sua trajetória. Abdicou das facilidades e embarcou numa musicalidade menos pop, mais indistinta; e encastelou-se numa nova sonoridade que, para seu mérito, evita clichês e privilegia um certo experimentalismo. Ainda que o formato de suas canções não tenha se afastado tanto de seu conhecido estilo anterior quanto o artista quer fazer crer, Eu Falso da Minha Vida o Que Eu Quiser captura um compositor que ao menos procura um caminho diferente para sua obra. Já é um começo - mesmo que o discurso de Moska soe, por vezes, mais interessante que sua música.

O disco é fundamentado no (às vezes hermético) jogo entre a voz de Moska e seu violão e o pano de fundo providenciado por Marcos Suzano (percussão) e Sacha Amback (programações). As soluções encontradas pelo cantor para adaptar suas canções a este formato minimalista são o que há de mais intrigante no disco. Por vezes, a embalagem sonora acaba superando a melodia/harmonia, especialmente nas (várias) faixas mais longas que pontuam o disco. O tom geral do trabalho é down. Os climas claustrofóbicos predominam em Um Ontem que Não Existe Mais e também no ritmo quebrado - espécie de funk fantasmagórico - levado pelo pandeiro de Suzano em Mentiras Falsas. Mesmo quando Moska alivia, com uma melodia mais pop, a letra é sombria - caso de Tudo que Viveu e Morreu ou Oasis, esta com leves toques orientais na melodia e arranjo. Como referência cult, Moska simplifica a melodia e harmonia de Lover You Should've Come Over, do falecido cantor Jeff Buckley imprimindo uma batida mais uptempo para criar Nunca Foi Tarde. As leves Um e Outro e Não Deveria se Chamar Amor podem ser as possíveis apostas radiofônicas de um álbum que se apresenta "difícil" para o público de massa.(Marco Antonio Barbosa)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 Corpo histérico Ouvir
(Paulinho Moska)
2 Um e outro Ouvir
(Paulinho Moska)
3 Não deveria se chamar amor Ouvir
(Paulinho Moska)
4 Tudo que viveu e morreu Ouvir
(Paulinho Moska)
5 Nunca foi tarde (Lover, you should've come over) Ouvir
(Jeff Buckley, Vrs. Paulinho Moska)
6 Eu falso da minha vida o que eu quiser Ouvir
(Paulinho Moska)
7 Mentiras falsas Ouvir
(Paulinho Moska)
8 Meu pensamento não quer pensar Ouvir
(Paulinho Moska)
9 Oásis Ouvir
(Paulinho Moska)
10 Um ontem que não existe mais Ouvir
(Paulinho Moska)
11 Mar deserto Ouvir
(Paulinho Moska)
12 Para sempre nunca mais Ouvir
(Paulinho Moska)
13 Vênus Ouvir
(Paulinho Moska)
 
EU FALSO DA MINHA VIDA O QUE EU QUISER
 
 
MetaMusica