INTUIÇÃO

Daniel Carlomagno / Zélia Duncan / Pedro Mariano / César Camargo Mariano (2002)

2002
Crítica

Cotação:

Não raro, a intuição nos leva a palmear caminhos já conhecidos, em busca de segurança. Olhando por este prisma, o título do novo álbum de Pedro Mariano é bem adequado. O intérprete segue sua tarefa de complementar a "porção compositora" dos Artistas Reunidos, mantendo total identidade entre seu trabalho e o dos pares Jair Oliveira e Daniel Carlomagno (Max de Castro é outra história). Uma musicalidade que busca o ponto de fusão entre a black music brazuca dos anos 70, o pop-romântico contemporâneo e as influências do r'n'b e do jazz ianques. A fórmula não tem erro, já testada nos trabalhos anteriores e (principalmente) afinada nos shows. Intuição reforça o papel de PM como porta-voz do "novo som da Trama"; uma síntese sofisticada de elementos populares e cult, que mesmo nutrindo-se de referências familiares (por vezes óbvias), consegue soar com personalidade. Falta ao cantor apenas "A" canção, que possa arrebatar o público de forma categórica; a ambientação cool do disco acaba criando um distanciamento, uma sensação de emoção suspensa. Chegaria ele lá no próximo trabalho?

O típico clima "Artistas Reunidos" pode ser ouvido em faixas como O Amor se Acaba, Pode Ser ou Distante Calma, que poderiam entrar sem muitos retoques nos discos dos companheiros de PM. O approach não se limita às faixas cedidas por Jair e Carlomagno. Pedro Mariano submete tanto o pop fluido de De Repente (momento menor de Lulu Santos) quanto a bossa nova de Você Vai Ver (Tom Jobim, aqui vertido em uma balada soul) a sua proposta sônica. A produção (do próprio Pedro, com o pai Cesar Camargo e Otavio de Moraes) adiciona sofisticações extra à equação, em pequenos detalhes. Como na longa Seja Melhor, encorpada com um naipe de cellos e uma sutil guitarra jazzy. No outro extremo, no qual o suingue deveria se impôr, há as experiências de samba funkeado (ou funk sambeado?) da faixa-título e de O Furacão. E o clima black entra em primeiro plano em Por Amar e Tudo Certo. De resto, a homenagem de Pedro à mãe Elis (na regravação de 20 Anos Blues) funciona como resumo da ópera: climática, mas contida demais, sem surpresas. Falta rasgar o protocolo um pouco. (Marco Antonio Barbosa)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 De repente Ouvir
(Nelson Motta, Lulu Santos)
2 Distante calma Ouvir
(Daniel Carlomagno)
4 O amor se acaba Ouvir
(Jair Oliveira)
5 Você vai ver Ouvir
(Antonio Carlos Jobim)
6 Pode ser Ouvir
(Jorge Vercilo)
7 5 discos Ouvir
(John, Fernanda Takai)
8 Preciso dizer que te amo Ouvir
(, Cazuza, Bebel Gilberto)
9 Seja melhor Ouvir
(Bernardo Vilhena, Claudio Zoli)
10 Furacão Ouvir
(Daniel Carlomagno)
11 Por amar Ouvir
(Ricardo Koctus)
12 Tudo certo Ouvir
(Dom Beto, Jair Oliveira)
13 20 anos blues Ouvir
(Sueli Costa, Victor Martins)
 
INTUIÇÃO
 
 
MetaMusica