BUGANVÍLIA

Penélope (2001)

2001
Chaos/Sony Music
Crítica

Cotação:

É dura a vida de bandas como a Penélope, que acabam meio perdidas em termos mercadológicos só por ousarem fazer um pop rock "puro", sem se filiar a (pseudo?) radicalismos, fusões com ritmos regionais, letras com apologia à sexo/drogas/rock'n'roll... Pode soar incrível, mas às vezes parece que não há espaço no míope mercado pop nacional para bandas que querem apenas fazer canções melodiosas, agradáveis e bem tocadas. Às vezes, essas qualidades acabam passando por "farofice" ou pendores bregas. Daí é que a Penélope acaba sofrendo mais do que deveria em busca de reconhecimento - justamente por não ter outra pretensão senão fazer canções melodiosas e agradáveis.

Não há de ser nada: gravando discos como este Buganvília, o quinteto está no caminho certo. Em relação ao primeiro álbum (Mi Casa Su Casa, de 1999), o grupo preservou o que tinha de mais pessoal - o contraste entre as guitarras distorcidas ma non troppo e a voz docinha de Érika Martins - e adicionou alguns detalhes preciosos em termos de arranjos e composição. Este novo approach resultou em arranjos simples mas sutis, como os que valorizam as belas melodias de Continue Pensando Assim e Junto Ao Mar (esta composta para a banda por Herbert Vianna). Estas duas faixas resumem a influência do pop britânico no som do grupo - mas sem soar como cópia.

Sujeira e melodia se complementam em Oportuno Silêncio e Olhos Caramelos, que misturam flauta doce e guitarra no talo. Outro "detalhe" é a presença de Wanderléa cantando na dançante e popíssima Não Vou Ser Má, pura Jovem Guarda atualizada. Na climática faixa-título, que pega mais leve (à base de violões), o quinteto resume a recém-adquirida maturidade, sem deixar de soar "fofinho", no bom sentido.

Se o que a Penélope sempre quis foi fazer um sonzinho honesto e cativante, sem deixar de soar 100% brasileiro, isso a banda já conseguiu. Resta saber se o álbum será bem compreendido por um mercado que tem como paradigma roqueiro clones mal-digeridos dos Raimundos. Pensando bem, em comparação com essas bandas, Buganvília é que soa radical para caramba. (Marco Antonio Barbosa)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 Filme da alma Ouvir
(Érika Martins)
2 Caixa de bombom Ouvir
(Érika Nande)
3 Nada melhor pra mim Ouvir
(Érika Martins)
4 Continue pensando assim Ouvir
(Érika Martins, Luisão)
5 Ciranda da bailarina Ouvir
(Chico Buarque, Edu Lobo)
6 A menor distância entre dois pontos Ouvir
(Érika Martins, Luisão)
7 Junto ao mar Ouvir
(Herbert Vianna)
8 Um quarto para as horas Ouvir
(Constança Scofield)
9 Oportuno silêncio Ouvir
(Érika Martins)
10 Não vou ser má Ouvir
(Mário Jorge, Joe, Constança Scofield)
11 O mundo é minha colcha Ouvir
(Érika Martins, Tom Capone)
12 Olhos caramelos Ouvir
(Rôney Jorge)
13 Buganvília Ouvir
(Érika Martins)