POR POUCO

mundo livre s/a / Tom Zé (2000)

2000
Crítica

Cotação:

Enquanto o Mundo Livre S/A e O Rappa continuarem no mesmo caminho, ninguém tem o direito de chamar o pop-rock brasileiro de politicamente alienado. Em seu quarto disco, a banda de Recife afia seu discurso lírico-contestador e chega com músicas que não ficam nada a dever (inclusive musicalmente) à boa MPB pensante de décadas anteriores. Bem mais direto que o álbum anterior – o belo mas um tanto hermético Carnaval na Obra –, Por Pouco pode ser conceitualmente resumido pela sua faixa-título. Nela, Fred Zero Quatro faz um diagnóstico preciso e inspirado do sentimento de incompletude do brasileiro, da precariedade permanente do país, das falsas alegrias e esperanças do povo – a ideologia do "votamos no quase honesto pois quase acreditamos nele". Com a potência roqueira de um The Clash, a banda em seguida desanca a lógica de mercado da globalização, que reduz tudo a uma grande promoção comercial, na faixa Concorra a um Carro. As baterias depois se voltam contra o velho Tio Sam e suas armações imperialistas em Lourinha Americana (genial canção de Mestre Laurentino) e no funk Batedores, que traz o aviso: "Não rezamos na cartilha do Naiqmen." E a música passa bem em Por Pouco. Esse é o disco com menos composições próprias do Mundo Livre – há versões de Minha Galera, de Manu Chao, e do rock Shakin’All Over. Apesar do verniz eletrônico última-geração, a banda continua a pautar sua linha de composição pelos trabalhos de dois pilares da MPB: Jorge Ben Jor (principalmente o do disco Tábua de Esmeraldas) e Tom Zé. O primeiro deu à banda a canção Mexe Mexe. O outro dá as caras num engraçadíssimo recado de secretária eletrônica. O rock come solto no disco, mas há faixas em que o samba muito pessoal do Mundo Livre ganha contornos de gafieira, com belos sopros. É o caso do manifesto O Mistério do Samba e da Melô das Musas, regravação em pot-pourri de Musa da Ilha Grande e Uma Mulher com W Maiúsculo, do primeiro disco da banda, Samba Esquema Noise (1994). Por Pouco acaba com uma versão de Garota de Ipanema – não tão radical quanto a que Marina fez certa vez – mas suficiente para mostrar que a banda de Recife é um dos nomes que não podem ser deixados de fora quando se falar de Nova MPB. (Silvio Essinger)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 O mistério do samba Ouvir
(Marcelo Pianinho, Fred Zero Quatro)
2 Concorra a um carro Ouvir
(Xef Tony, Goró, Fred Zero Quatro)
4 Mexe mexe Ouvir
(Jorge Benjor)
5 Melô das musas (Musa da Ilha Grande) Ouvir
(Fred Zero Quatro)
Uma mulher com W maiúsculo (Fred Zero Quatro-Goró-Tony-Otto-Bactéria)

6 Treme-treme (Shakin' all over) Ouvir
(Johnny Kidd, Fred Zero Quatro)
7 Meu esquema Ouvir
(Fred Zero Quatro)
8 Super homem plus Ouvir
(Fred Zero Quatro)
Sample: "Morengueira contra 007" (Miguel Gustavo)

9 Ligação direta Ouvir
(Xef Tony, Bactéria, Goró, Fred Zero Quatro)
10 Lourinha americana Ouvir
(Mestre Laurentino)
11 6:30 am, um abraço! Ouvir
(Tom Zé)
12 Batedores (Resistindo ao arrastão global) Ouvir
(Marcelo Pianinho, Xef Tony, Bactéria, Goró, Fred Zero Quatro)
13 Minha galera Ouvir
(Manu Chao)
14 Garota de Ipanema Ouvir
(Tom Jobim, Vinicius de Moraes)
 
POR POUCO
 
 
MetaMusica