BOM ASTRAL

Só Pra Contrariar (2000)

2000
Crítica

Cotação:

O sétimo álbum do grupo de pagode dos oito milhões de discos vendidos é emblemático: em time que está ganhando não se mexe, mas sem uma arejada de vez em quando não há quem agüente. Daí que Bom Astral traz umas duas faixas de ousadia controlada, algumas adaptações ao modelo comercial dominante e muito, muito mais do mesmo dos rapazes de Uberlândia. O disco começa com o risco – Balada da Noite, um meio samba-rock, meio pagode, com citação meio desconjuntada de Stayin´Alive, dos Bee Gees, e a participação do pai do samba-rock, Jorge Ben Jor – na verdade, uma meia desculpa para que se citasse sua Mas Que Nada. Peixe fora d’água, o vocalista Alexandre Pires não convence, tentando costurar essa mistura azeitada pelo arranjo luminoso de Lincoln Olivetti. Um pouco melhor o cantor se sai em Samba Blue, suposta homenagem a B.B.King. O problema de Bom Astral é que, por mais que se capriche nos balanços, com um time de arranjadores e músicos de estúdio de primeira, resta a completa precariedade das letras, fartas em clichês e de rimas ilusão-solidão-emoção-paixão-sedução. O consolo é que nesse disco o Só Pra Contrariar se mostra mais próximo do samba tradicional que deveria ser sua matriz e que por acaso vive um bom momento comercial. Escorada em músicos como o banjoísta Arlindo Cruz (autor, junto com Sombrinha e Almir Guineto, da música do Fundo de Quintal que deu nome à banda), o SPC envereda por faixas como Quem Dera, A Vida é Bonita Sem Você (de Marcos Valle e Carlos Colla), Miragem e Bom Astral, um partido alto que tenta seguir o modelo de Zeca Pagodinho, com arranjos do produtor do próprio, Rildo Hora. Pena que Alexandre Pires fique no meio do caminho desses sambas, tentando se enturmar com o gênero. Sua especialidade mesmo, náo dá para negar, são mesmo as baladinhas pseudosoul, compostas por sua equipe de sempre – caso de Vem Me Livrar Desse Abandono, Vem Morar Comigo (de Althay Veloso e Paulo César Feital, que tem a pérola poética "Solitário te possuo/ Como faz um adolescente") e Quando Eu Amo É Assim (de Peninha). São a oportunidade perfeita para que o astro despeje suas carregadas firulas vocais. E não bastassem canções nacionais, o SPC ainda entrou na onda de versões que assola a música brasileira com Teu Olhar – ou seja, In Your Eyes, sucesso de George Benson nos anos 80. É desculpa para mais exageros vocais, em busca de um público sedento por romance em forma de música. (Silvio Essinger)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 A Balada da Noite Ouvir
(R.Gibb, M.Gibb, B.Gibb, Alexandre Pires, P.Ferreira)
2 Quem Dera Ouvir
(Niva)
3 Vem Me Livrar Desse Abandono Ouvir
(Júlio Borges, Alexandre Lucas, Cacá Moraes)
4 Você Virou Saudade Ouvir
(Pinochio)
5 De Outras Vidas Ouvir
(Regis Danese, Luiz Cláudio)
6 A Vida é Bonita Sem Você Ouvir
(Carlos Colla, Marcos Valle)
7 Feito um Neném Ouvir
(Alexandre Pires, Lourenço)
8 Bom Astral Ouvir
(Alexandre Pires, Lourenço)
9 Vem Morar Comigo Ouvir
(Althay Veloso, Paulo César Feital)
11 Quando Eu Amo é Assim Ouvir
(Peninha)
12 Saudade é Assim Ouvir
(Alexandre Pires, Marquinhos Mosqueira)
13 Teu Olhar (In Your Eyes) Ouvir
(M.Masser, D.Hill, vers. Luiz Silva)
 
BOM ASTRAL
 
 
MetaMusica