TOM ZÉ

Tom Zé (1968)

1968
Rozemblit
Crítica

Cotação:

Foi preciso David Byrne, Penélope e muito tempo para que enfim se chegasse ao primeiro disco de Tom Zé, de 1968, enfim reeditado pela Sony Music. Ao contrário dos outros tropicalistas do disco-manifesto Panis et Circensis, o baiano de Irará só conseguiu gravar pelo periférico selo Rozemblit, de Recife. Há muito fora de catálogo, Tom Zé reaparece revelador. Caetano, Gil e Mutantes podem ter feito obras de derrubar queixos, mas este aqui é o mais tropicalista dos discos da Tropicália. Irreconhecível para as novas gerações na foto da capa, o músico realizou um trabalho brilhante, inspiradíssimo, em que música e texto interagem ao sabor de um sarcasmo poucas vezes igualado. Quer dizer: é o tropicalismo em sua mais pura essência. Estilos da música brasileira e importada desfilam no disco, nas misturas mais inusitadas, costuradas pelos arranjos vanguardistas de Damiano Cozzela e Sandino Hohagen, integrantes do grupo Música Nova, do qual saiu também o maestro tropicalista, Rogério Duprat. Nas músicas do disco, Tom Zé tematiza o susto do baiano do interior em contato com as armadilhas e contradições da grande cidade. Só que ele não é nada jeca. As pessoas que, "amando com todo ódio se odeiam com todo amor", são a imagem mais forte de São São Paulo, vencedora do Festival de MPB da TV Record de 68. E que dizer de Não Buzine Que Eu Estou Paquerando? Só o título já vale – não fosse a música um curioso iê-iê-iê com passagens de marchinha de coreto. Por falar em misturas, a tão falada Namorinho de Portão (regravada recentemente pela banda Penélope a partir da versão de Gal Costa) bem poderia ser uma faixa dos Novos Baianos. E Catecismo, Creme Dental e Eu pode ser vista como um diálogo com o primeiro disco dos Mutantes, em sua fusão de rock, baião e arranjos vanguardistas.

O dado mais curioso de Tom Zé, porém, é a extrema atualidade dos problemas que ele critica – para extrema infelicidade dos brasileiros de hoje. "Jornal popular não se espreme porque pode derramar/ É um banco de sangue encadernado", canta Tom em Parque Industrial (do Panis). O hino da corrupção de Lalaus e companhia, por exemplo, poderia ser Profissão Ladrão: "Sei que quem rouba um é moleque/ Aos dez promovido a ladrão/ Se rouba cem já passou de doutor/ E dez mil é figura nacional/ E se rouba oitenta milhões.../ É a diplomacia internacional, a boa vizinhança e outras tranças." Falou de consumo? Ouça Sem Entrada e Sem Mais Nada, com seu corinho feminino que dá um tom de jingle perverso: "Entrei na liquidação/ Saí quase liquidado/ Vinte vezes, vinte meses/ Eu vendi meu ordenado." Tom Zé ainda se mete a falar sobre música – e bem. Trinta e dois anos depois, Quero Sambar Meu Bem, em sua imitação de Jorge Ben, faz o mesmo que o Mundo Livre S/A na recente O Mistério do Samba (do disco Por Pouco). "Quero sambar meu bem/ Quero sambar também/ Mas eu não quero andar na fossa/ Cultivando tradição embalsamada." Tal qual um garoto descobrindo a novidade do disco, Tom ainda faz outras traquinagens: em Sabor de Burrice, ele encena uma transmissão de alto falante de Irará. E em Camelô, a grande atração é uma historinha que o músico conta na introdução. Como o próprio Mundo Livre se encarregou de mostrar em seu último disco, só Tom Zé falando já vale por uma faixa. Ninguém que vacile então: vendo Tom Zé por aí, compre logo. É um disco em que ele mais uma vez nos faz ver o óbvio. Um preto pastel destinado a dar uma dor de barriga moral na sociedade. (Silvio Essinger)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 São São Paulo Ouvir
(Tom Zé)
2 Não buzine que eu estou paquerando Ouvir
(Tom Zé)
3 Namorinho de portão Ouvir
(Tom Zé)
4 Catecismo, creme dental e eu Ouvir
(Tom Zé)
5 Curso intensivo de boas maneiras Ouvir
(Tom Zé)
6 Glória Ouvir
(Tom Zé)
7 Camelô Ouvir
(Tom Zé)
8 Profissão ladrão Ouvir
(Tom Zé)
9 Sem entrada e sem mais nada Ouvir
(Tom Zé)
10 Parque industrial Ouvir
(Tom Zé)
11 Quero sambar meu bem Ouvir
(Tom Zé)
12 Sabor de burrice Ouvir
(Tom Zé)
 
TOM ZÉ
 
 
MetaMusica