CINEMA AUDITIVO

Wado (2002)

2002
Outros Discos
Crítica

Cotação:

Na encruzilhada múltipla entre o samba, a MPB "tradicional", a tradição da black music brazuca e o pop-rock - mas sem enveredar definitivamente por nenhum desses caminhos em particular - está Wado. Oswaldo Schlickmann, o alagoano que atende pelo nome artístico de Wado, granjeou muita atenção da imprensa mais observadora com seu álbum O Manifesto da Arte Periférica (2001). Os poucos sortudos que ouviram o disco apontaram, com razão, o cantor, compositor e multiinstrumentista como legítimo renovador da nova música brasileira. Na mesma sintonia dos eflúvios do manguebeat (não é questão de comparar, mas sim de buscar identificação - a comparação com a turma recifense até irrita Wado), Wado coleta cacos do passado de nossa música e os relê de maneira estranhamente contemporânea. Há referências identificáveis, claro - Jorge Ben, Gil, Tim Maia - mas nada é óbvio. Pelo contrário; tudo se mescla de forma homogênea e inteligente dentro de um som que, ao mesmo tempo que se nutre de nossa gasta MPB, está antenado a formatos e influências gringas. Dizendo assim, parece não haver diferença entre o que Wado faz e o trabalho de 9 entre 10 "novos talentos". A questão é ouvir e sentir a diferença - não conceitual, derivada de "manifestos", mas no suingue mesmo, no balanço irresistível que Wado consegue extrair de seu equipamento ultra lo-fi (Cinema Auditivo foi gravado em casa, direto no computador). Uma saída extremamente válida para o dilema de se achar uma música pop 100% brasileira, livre de rótulos ou contaminações.

O novo disco é um tanto mais econômico, em termos de arranjos, do que Manifesto.... A verborragia esperta das letras do primeiro álbum também cede espaço a um poeta mais contido, mais preocupado com viagens internas do que com, bem, manifestos. Entretanto, a polirritmia instintiva de Wado e seu dom para unificar influências díspares de forma muito pessoal segue intacta. Funk, samba e soul se unem, sem costuras aparentes, em faixas de suingue irretocável (Sotaque, Tarja Preta/Fafá); leves experimentações eletrônicas dão o tom em A Gaiola do Som; em Diabos evidencia-se o parentesco com o manguebeat; e daí por diante. Por outro lado, há um potencial grande para o lirismo, vindo de fontes inusitadas, como na parceria com o também arretado Totonho (em Cenas de um Filme Inglês) e na quase-doce Ossos de Borboleta.(Marco Antonio Barbosa)
Faixas
Ouvir todas em sequência
1 A gaiola do som Ouvir
(Wado)
2 Poema de Maria Rosa Ouvir
(Alvinho, Rosinha)
4 Cenas de um filme inglês Ouvir
(Totonho, Paulo Ró)
5 Ossos intro Ouvir
(Wado)
6 Ossos de borboleta Ouvir
(Alvinho, Clarisse, Wado, Glauber)
7 Infância Ouvir
(Juca)
8 Sotaque Ouvir
(Alvinho, Wado, Bahia)
9 Rotinova Ouvir
(Alvinho, Wado, Glauber)
10 Rotina Ouvir
(Alvinho, Wado, Glauber)
11 Diabos Ouvir
(Wado)
13 Cinema auditivo teminha Ouvir
(Caetano, Wado, Thiago Nistal, Corradi)
14 Fim Ouvir
(Alvinho)
 
CINEMA AUDITIVO
 
 
MetaMusica